Qual é a diferença entre intemperismo químico e físico

Intemperismo quimico

O intemperismo é o processo pelo qual os materiais rochosos são modificados e transformados pela ação de agentes externos, como água, ar, sol e gelo. Esse processo é fundamental para a formação e o desenvolvimento de solos, bem como para a modificação da paisagem. Existem dois tipos principais de intemperismo: o intemperismo químico e o intemperismo físico.

O intemperismo químico ocorre quando os agentes externos agem sobre as rochas, alterando suas composições químicas. Isso pode ser causado pelo ataque de ácidos, pelo poder oxidante do ar ou pelo calor, entre outros fatores. O resultado é a decomposição e a dissolução das rochas, gerando novos minerais e elementos químicos.

Por exemplo, a água da chuva pode conter ácidos, como o ácido carbônico, que é produzido pelo dióxido de carbono presente no ar. Quando essa água atinge as rochas, ela dissolve os minerais calcários, gerando uma solução ácida que pode corroer e dissolver outros minerais. O resultado é a formação de solos mais férteis e o surgimento de cavernas e grutas.

O intemperismo físico, por sua vez, ocorre quando as rochas são submetidas a mudanças físicas, como a expansão e contração devido ao aquecimento e resfriamento, ou a ação do vento e da água. Isso pode levar à quebra e fragmentação das rochas, formando pedras menores e areias. O resultado é a formação de solos mais pobres e menos férteis.

Um exemplo de intemperismo físico é o processo de erosão, que ocorre quando a água, o vento ou o gelo removam material da superfície da Terra. Isso pode levar à formação de vales, montanhas e outras formas da paisagem.

Em resumo, o intemperismo químico é um processo que altera a composição química das rochas, enquanto o intemperismo físico é um processo que modifica a estrutura física das rochas. Ambos são fundamentais para a formação e o desenvolvimento dos solos e da paisagem, e ocorrem de maneira interligada e dependente em diferentes ambientes

BIBOCA AMBIENTAL : INTEMPERISMO X EROSÃO

BIBOCA AMBIENTAL